Post Content

“A escuridão não pode expulsar a escuridão: apenas a luz pode fazer isso. O ódio não pode expulsar o ódio: apenas o amor pode fazer isso”.

– Martin Luther King Jr.

O que podemos fazer quando coisas horríveis acontecem? Uma tragédia como a que aconteceu na boate LGBTQ Pulse, em Orlando, é tão devastadora e incompreensível que nos estremece e sacode até o fundo da alma. Pode despertar sentimentos de raiva, indignação, profunda tristeza e medo, atordoamento ou deixar-nos tentando processar o que aconteceu. Os eventos traumáticos despertam sentimentos e reações diferentes nas pessoas, e todos são válidos. Às vezes não sabemos bem o que fazer.Holding-Space-300x210

Tenho falado com muitas pessoas que querem canalizar o medo e a raiva em ação. Talvez você tenha um sentimento de impotência e pense “mas eu sou apenas uma pessoa. O que posso fazer?” Em uma palavra, ame. Em momentos avassaladores como este, é importante lembrar que amar é uma forma de ação.

Como é o amor em ação? Ele é um espaço de proteção emocional para a outra pessoa. Isso significa simplesmente deixar a outra pessoa processar o luto e os sentimentos, estar no momento presente com ela. Isto é necessário para podermos sarar. Apoiar-nos uns aos outros da forma que podemos promove o processo de cura.

Esteja presente com a outra pessoa. Diga alô, ofereça abraços e lembremos de respirar profunda e lentamente. Se você for um heterossexual simpatizante, aqui há uma ótima lista com formas de apoiar seus amigos e familiares da comunidade LGBTQ.

Independente de onde moramos, como nos identificamos ou quais são nossas experiências de vida, os eventos traumáticos nos conectam e impactam por igual. O que afeta a um de nós, afeta a todos. Nossa condição humana nos mantém unidos.

Se você estiver tendo reações emocionais ou físicas graves por este ou outro acontecimento traumático, contacte um profissional de saúde. Se mora em Massachusetts, os programas de emergência oferecem avaliações, intervenção e estabilização em situações de crise 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias ao ano.

Written By:


Community Suicide Prevention Coordinator

Recent Posts

Pappas Rehabilitation Hospital Staff Go the Extra Mile for Patients posted on Jun 23

Pappas Rehabilitation Hospital Staff Go the Extra Mile for Patients

Nick Grigoriou is a 25-year-old man with Duchenne muscular dystrophy, a genetic disorder that causes progressive muscular degeneration and weakness.  A patient at DPH’s Pappas Rehabilitation Hospital for Children in Canton since 2012, Nick is preparing to be discharged home later this month.  Due to   …Continue Reading Pappas Rehabilitation Hospital Staff Go the Extra Mile for Patients

Elevating the Essential Workforce posted on Apr 11

Elevating the Essential Workforce

Written by Emily Sparer-Fine, Director of the Occupational Health and Surveillance Program Essential workers encompass a wide variety of occupations, many of which are familiar to us: health care workers, police, fire and other emergency personnel, transit workers and grocery workers, while other workers equally   …Continue Reading Elevating the Essential Workforce

Uplifting Mental Health and Wellness posted on Apr 10

Uplifting Mental Health and Wellness

Written by Nicole Schmitt of the Bureau of Substance Addiction Services To address the needs of individuals at high risk for overdose and other medical complications associated with substance use, the Massachusetts Department of Public Health (DPH) Bureau of Substance Addiction Services awarded contracts to   …Continue Reading Uplifting Mental Health and Wellness